Por sonho de filha com câncer, mãe leva Zé Felipe a hospital em Barretos

Desde que foi diagnosticada com leucemia linfoide aguda (LLA), Ana Laura Viera, de 7 anos, diz que não vivia um dia tão feliz. O brilho que saltava dos olhos e o sorriso que não cabia na boca denunciavam a emoção de realizar um sonho: conhecer o cantor Zé Felipe.

O encontro com o ídolo teen aconteceu no Hospital de Câncer de Barretos (SP) e foi organizado pela mãe da garota, a dona de casa Talita Silva Sales, ao saber que o sertanejo estaria na cidade para participar da Festa do Peão.

“Ajuda mamãe, meu coração está batendo muito forte, dá até vontade de chorar. Não quero sair do lado dele nunca mais”, disse Ana Laura, após um demorado abraço no cantor. E os dois realmente não se desgrudaram, nem por um minuto, durante a visita do sertanejo ao hospital.

De mãos dadas pelos corredores, Ana Laura e Zé Felipe caminharam lado a lado, se abraçaram incontáveis vezes, trocaram desenhos e dedicatórias. Por duas horas, Ana Laura esqueceu as dificuldades do tratamento, após o transplante de medula óssea há cinco meses.

“Ele é muito legal, igual na TV, e disse que vai me levar para assistir ao show no rodeio. É o dia mais feliz da minha vida”, afirmou a garota, que a cada 15 dias ainda volta ao hospital para exames e acompanhamento. Por enquanto, nada de escola ou passeios em público.

O tratamento contra LLA obrigou Ana Laura e a mãe a se mudarem de Nova Ponte (MG) para Barretos. Mas, Talita contou que a paixão da filha por Zé Felipe nasceu bem antes, há dois anos, quando a menina viu o cantor em um programa de televisão.

“É uma paixão louca. Ela escuta uma vez só as músicas dele e já sai cantando. Ela tem CD dele, o quarto é repleto de pôsteres, fotos dele, tudo colado na parede, parece até um camarim do Zé Felipe”, brincou a dona de casa.

Disposta a realizar o sonho da filha, Talita contou que pediu a uma amiga para entrar em contato com a produção do cantor Eduardo Costa, que atualmente realiza o espetáculo “Cabaré” ao lado de Leonardo, pai de Zé Felipe.

“Ele aceitou na hora. Nunca me disse não, ele sempre foi um fofo”, afirmou a dona de casa, tentando conter as lágrimas. “Minha filha quase morreu, a doença era muito agressiva. Eu sei o tanto que ela é guerreira, lutou pela vida. Ela merece”, completou.

Voltar